Com ensaios abertos, blocos de BH abrem espaço para quem tem interesse em tocar no Carnaval

A boa notícia é que experiência com a música não é pré-requisito. Os blocos pedem que o folião leve seu próprio instrumento e vontade de aprender

30/01/2014 13:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

 

Flávia Mafra / Divulgação
Desfile do Bloco Então Brilha!, em 2013 (foto: Flávia Mafra / Divulgação)
“Gente é para brilhar. E todo mundo tem o direito de brilhar”. O convite, feito pelo maestro Christiano de Souza, serve para dar aquele empurrãozinho em quem tem vontade de tocar algum instrumento durante a folia em BH, mas nunca teve coragem ou oportunidade de tentar. A boa notícia é que alguns dos blocos que vão sair pelas ruas da cidade este ano aceitam novos integrantes — e nem precisa ter experiência em música. Basta ir aos ensaios, levar seu instrumento e ter vontade de aprender e se divertir.

 

Christiano é um dos responsáveis pelo bloco Então Brilha!, que desfila na capital desde 2010. Ao assumir o apito do grupo, em 2012, o artista reforçou ainda mais a ideia de convidar pessoas que não necessariamente são ligadas à música. O objetivo era, e continua sendo, criar um clima de carnaval democrático, alegre e que reúna pessoas de todos os estilos. “O Então Brilha! foi um dos primeiros blocos a quebrar esse paradigma de que só toca quem é músico. Para nós, no Carnaval engenheiro vira músico, músico vira arquiteto...”, filosofa. Ele ainda explica que já é acostumado a comandar grupos com integrantes que têm relações bem distintas entre si com a música, experiência adquirida ao ministrar aulas em vilas e aglomerados da capital. “Pra mim é totalmente possível se fazer música com pessoas diferentes, de vários níveis de aprendizagem”, garante.


Para quem ficou interessado em tocar no Então Brilha!, Christiano explica que o ritmo eleito pelo grupo é o axé, por isso vale a pena levar instrumentos típicos do gênero, como surdo, caixa e timbal. Mas o maestro garante que não há restrições. “Eu levanto a bandeira da liberdade instrumentística. A onda é o brilho de cada um. Nós indicamos às pessoas que apareçam com os instrumentos típicos do axé, mas vale tudo”. Christiano ressalta, no entanto, que os naipes que estão mais “carentes” no grupo são os de timbal e surdo. Os ensaios já estão esquentando a Praça da Estação às terças-feiras, e vêm reunindo centenas de pessoas.


Facebook Baianas Ozadas / Reprodução
Ensaio do bloco Baianas Ozadas (foto: Facebook Baianas Ozadas / Reprodução)
RITMO BAIANO
Por falar em axé, esse também foi o ritmo escolhido por outro bloco que está com ensaios abertos, o Baianas Ozadas. Sucesso absoluto no Carnaval de 2013, o grupo acabou abrindo oficinas durante o restante do ano para quem quisesse se preparar para a festa do Momo com antecedência. De acordo com Renata Andrade, uma das porta-vozes do Baianas, os ensaios no ano passado foram mensais, mas o ritmo já aumentou esse ano. Desde janeiro os batuqueiros se encontram semanalmente, aos sábados, na sede do Necup (Núcleo de Estudos de Cultura Popular).

Renata afirma que desde o surgimento do bloco já havia uma mistura de músicos profissionais e amadores, e dessa vez não poderia ser diferente. “O único pedido que fazemos é que a pessoa leve seu instrumento e que contribua com uma taxa simbólica para a manutenção do espaço que usamos para ensaiar”, explica.


A instrumentista ainda lembra que muita gente entrou no grupo sem ter nenhuma experiência musical e hoje já possui uma base rítmica bem consolidada. Ela ressalta que para que isso aconteça é importante uma certa frequência. “Mas nem precisamos pedir isso. Os ensaios viraram uma grande confraternização e é bem difícil uma pessoa não voltar”, comemora.

Facebook Baque de Mina / Reprodução
Integrantes do grupo de maracatu Baque de Mina (foto: Facebook Baque de Mina / Reprodução)
SÓ MINAS

À primeira vista, o Baque de Mina - grupo de maracatu que desfila desde o ano passado em Belo Horizonte - pode não chamar atenção de todos os tipos de batuqueiros, afinal de contas é pré-requisito ser mulher para tocar. Mas os homem não precisam ficar de fora. Os rapazes também estão convidados para os ensaios e desfile, para fazerem parte de uma bela ala de dança.


Como se trata de um bloco de Maracatu, as moças que quiserem tocar têm que escolher entre os instrumentos típicos do ritmo: agbê, ganza, caixa, alfaia e gonguê. Assim como nos outros grupos, não é necessário saber tocar. Mas para quem quer fazer bonito mesmo durante o carnaval, o grupo tem oficinas às quintas-feiras, além dos ensaios de carnaval aos sábados, embaixo do Viaduto Santa tereza.

 

PARA TODA A FAMÍLIA

 

Outro bloco que convida novos participantes é o Do Seu Bento à Dona Lúcia. Criado em 2013, o grupo recruta novos batuqueiros por meio de sua página no Facebook. A intenção é formar uma turma que vai segurar a base do bloco, com ensaios semanais, e depois abrir a bateria para o público em um grande ensaio geral. “Faremos esse grande ensaio duas semanas antes do Carnaval. Aí cada naipe terá uma pessoa responsável, que já vinha ensaiando, para dar apoio a quem chegar na hora”, explica Daniel Elói, empresário e músico nas horas vagas.

 

Daniel conta que o Do seu Bento à Dona Lúcia é um bloco familiar, que convida gente de toda idade. No repertório, tradicionais marchinhas de carnaval e alguns frevos. “O objetivo é fazer um carnaval com clima mais tranquilo. Que as pessoas possam levar as crianças, usar fantasias”, explica.



ONDE TOCAR


• Então Brilha!

Ensaio: Todas as terças-feiras na Praça da Estação, a partir das 19h.

Ritmo: Axé

Instrumentos indicados: Surdo, caixa, timbal, repique, agbê (xequerê), tamborim. Se possível, dar preferência ao surdo ou timbal.

Desfile: Sábado, dia 1º de março. Concentração a partir das 9h, na Rua Guaicurus.

• Baianas Ozadas


Ensaio: Sábados, de 11h às 13h, no Necup (Núcleo de Estudos de Cultura Popular), Av. Nossa Senhora de Fátima, número 3312, Bairro Prado.

Ritmo: Axé

Instrumentos indicados: Ganzá, agogô, caixa, repique, surdo e atabaque. Geralmente, ganzá e agogô são mais fáceis. O tamborim não vai mais para a rua com o bloco.

Desfile: Segunda-feira, 3 de março, concentração Praça da Liberdade a partir 12h.

Informações: www.facebook.com/BlocoBaianasOzadas


• Baque de Mina


Ensaio de Carnaval: Sábados, das 14h às 17h, embaixo do Viaduto Santa Tereza.
Oficina de maracatu: Quinta-feira, das 19h30 às 21h30, no Mercado das Borboletas, Avenida Olegário Maciel, número 742, 3º piso, Bairro Centro.

Ritmo: Maracatu

Instrumentos indicados: Agbê (xequerê), alfaia, caixa, ganzá, gonguê.

Desfile: Terça-feira, 4 de março. Concentração na Praça Duque de Caxias, Santa Tereza, a partir de 12h.

Informações: www.facebook.com/BaqueDeMina


• Do Seu Bento à Dona Lúcia

Ensaio: Quem tiver interesse em entrar para o grupo deve fazer contato pela página do Facebook. Ensaio Geral aberto será divulgado na mesma página.

Ritmo: Marchinhas e frevos

Instrumentos indicados: caixa, sopros, surdo, tamborim.
Informações: www.facebook.com/pages/Bloco-de-Seu-Bento-à-Dona-Lúcia/567973339957819



QUER DIVULGAR O ENSAIO DO SEU BLOCO?
Envie as informações de data, horário, local, instrumentos e dia do desfile para o e-mail uaicarnaval@gmail.com


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CARNAVAL