Adélia Prado convoca o povo a fazer poesia e rezar para enfrentar a crise

Escritora mineira recebeu, em Belo Horizonte, o Prêmio do Governo de Minas Gerais de Literatura pelo conjunto de sua obra

por Márcia Maria Cruz 28/06/2017 22:12
Marcos Vieira/EM/D.A Press
Adélia Prado recebeu o prêmio literário oferecido pelo governo mineiro (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

A escritora mineira Adélia Prado afirmou, nesta quarta-feira (28), que o Brasil "vive um momento cinzento", convocando o povo a fazer poesia, cantar e dançar para enfrentar os tempos difíceis. "Quem não tiver o dom pode rezar um Pai Nosso", disse ela, ao receber o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura pelo conjunto da obra, na Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, em Belo Horizonte.

Também foram premiados Silvio Rogério Silva, na categoria ficção, pelo livro 'Floresta no fim da rua'; Tadeu de Melo Sarmento (poesia), por 'Um carro capota na lua'; e Jonathan Tavares Diniz (categoria jovem escritor), por 'Cólera'.

Durante a solenidade, Adélia Prado se emocionou ao acompanhar o grupo Palavra Viva interpretar alguns de seus poemas. Segundo ela, o maior prêmio que poderia receber é ouvir seus versos declamados por aqueles jovens.

O Prêmio do Governo de Minas Gerais de Literatura contemplou os autores com R$ 258 mil, assim distribuídos: R$ 30 mil para Silvio Rogério Silva, R$ 30 mil para Tadeu Sarmento, R$ 48 mil para Jonathan Tavares Diniz e R$ 150 mil para Adélia Prado.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS