Adélia Prado lança Cantiga dos meninos pastores

A poeta fará leitura do poema, seguido de show beneficente de Leila Pinheiro, Isabella Taviani e Paula Santoro interpretando obras de jazz

por Walter Sebastião 05/12/2016 08:00

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press  27/12/14
A escritora mineira Adélia Prado se senta à vontade ao ler poemas por causar contato com a verdade das palavras (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press 27/12/14)

A poeta Adélia Prado está hoje em Belo Horizonte, onde tem dois compromissos, ambos no Cine Theatro Brasil Vallourec. Às 18h, a escritora lança o livro Cantiga dos meninos pastores (Ed. Gulliver), texto dela com ilustrações de Ângela Leite de Souza. E às 20h, Adélia faz, com leitura de poemas, a abertura de show Noite feliz para todos, das cantoras Leila Pinheiro, Isabella Taviani e Paula Santoro. O espetáculo tem direção de Rodrigo Rios e, no repertório, canções natalinas norte-americanas, com arranjos de Quincy Jones, Count Basie Orchestra, Patrick Williams, Chris Walden, Gordon Goodwin e outros.
“Falar poemas é bom demais”, afirma Adélia Prado, acrescentando que é um mar mais calmo, quando comparado a uma palestra. A mineira conta que, ao apresentar um texto, não se preocupa com a interpretação nem em ficar racionalizando a performance. “O que faço é buscar a presença forte que a poesia tem. É como padre na hora do sermão: ele tem de desaparecer para que a palavra apareça”, ensina. “Poesia é o contrário do discurso político”, ironiza, colocando a audição de poesia como experiência em que a palavra tem peso, sentido, verdade e compromisso humano.


Adélia Prado se diz satisfeita de lançar o terceiro livro para crianças (antes de Cantiga dos meninos pastores, veio Quando eu era pequena e Carmela vai a escola). O volume é o primeiro que traz um texto ilustrado estrofe por estrofe. “Está sendo momento de pura alegria. Cada ilustração de Ângela é outro poema. O volume está uma boniteza”, garante. A sensação, continua a poeta, é que o inédito Cantiga... estava esperando um projeto especial e bem cuidado como este.


“Cantiga... é um livro para quem gosta de criança, Natal e poesia”, explica Adélia, contando que adora meninada feliz e recém-nascidos. “Qualquer um. Dá vontade de colocar todos no colo”, acrescenta. “Fico com ciúme dos filhos crescerem”, brinca a avó de nove netos, o mais novo com 8 anos. Mais: “O Natal é quando Deus se faz criança e vem a nós, ovelhas sem pastor. Contém o que há de mais criança em cada um: fé, maravilhamento, estrelas, pastores, canto”, enumera, observando que, no poema, tal sentimento está dito de melhor forma.



Nesta época, a multiplicação de ações que se voltam para necessidades dos mais carentes, para Adélia Prado, vem do “poder de comoção” que tem o Natal. “É um gesto em direção ao outro que poderia existir o ano inteiro e não só nesta época”, observa. Ela não gosta de ver tais atitudes como caridade e beneficência. “Natal traz um sentimento de esperança de que o mundo tem jeito e que o caminho para isso é Jesus”, defende. Um presente para o Brasil? “Que o Espírito Santo baixe sobre nós. Que a luz de Cristo cai sobre aquela coisa côncava e convexa trazendo aos nossos parlamentares discernimento para trabalhar em favor do povo”, responde.

MÚSICA O show Noite feliz para todos resgata o cancioneiro natalino norte-americano, tradição explorada por compositores de vários gêneros e épocas. A cantora Leila Pinheiro conta que o espetáculo será uma imersão no universo natalino, a partir do repertório norte-americano sobre o tema. Mas, acrescenta, com levada musical diferente: jazzística. “Rodrigo Rios nos conhece bem, então, acho que o resultado vai ser muito bonito”, observou, na última sexta-feira, ao chegar em Belo Horizonte para os ensaios. Ela canta The Christmas song, White Christmas, Winter wonderland, Let it snow, I can’t stop loving you. “Vai ser uma noite linda, inclusive pela presença de Adélia Prado”, conta, avisando que é fã da escritora.


Leila Pinheiro às vezes se incomoda com o clima melancólico que o Natal traz, “ainda mais depois de um ano pesado para o Brasil e para o mundo como foi 2016”. “Precisamos parar e pensar mais nas grandes dificuldades que temos à nossa volta”, justifica. Por isso mesmo, o que ela daria de presente para o Brasil e o mundo seria música, alegria, paz. “E fé, porque as coisas não estão nada boas”, acrescenta. Ela passa o Natal em Belém, no Pará, com pais e três irmãos (apenas um morando em Belém, os outros no Rio ou São Paulo).


Espírita, Leila Pinheiro acredita que ajudar ao próximo e ao mais necessitado é algo que se faz o ano inteiro, e não só durante o Natal. “Acredito nesse movimento de se doar em favor de outros. O mundo precisa dessa troca, dessa entrega. Ao final, você percebe que recebeu mais do que ajudou”, conta.


Paula Santoro vai cantar Santa Claus is coming to town, What a difference a day made, Have yourself a merry little Christmas, I’ll be home for Christmas, Jingle bell rock. Isabella Taviani, por sua vez, interpreta Ave, Maria, The holiday season e Feeling good.

 

NOITE FELIZ PARA TODOS


Hoje, no Cine Theatro Brasil Vallourec, Av. Amazonas, 315, Praça Sete, Centro. Às 18h, lançamento do livro Cantiga dos meninos pastores (Ed. Gulliver , R$ 45), poema de Adélia Prado e ilustrações de Ângela Leite de Souza, com leitura de Adélia Prado. Às 20h, show com repertório natalino norte-americano, interpretado por Leila Pinheiro, Isabella Taviani e Paula Santoro. Ingressos a R$ 60 + 1kg de alimento não perecível ou um brinquedo. Os alimentos e brinquedos recolhidos serão doados para o Lar Teresa de Jesus, que dá suporte e acolhimento a crianças a adultos vindas do interior de Minas durante o tratamento de câncer e doenças crônicas.

 

 

CONCERTO NA FEA


A Fundação de Educação Artística (FEA) realiza hoje, às 20h, um concerto para a campanha Transforme seu Imposto de Renda em Música. O projeto incentiva a doação, com desconto no Importo de Renda, para sustentar o programa de bolsas para crianças e jovens de baixa renda desenvolvido pela escola. As doações devem ser feitas até o dia 29 de dezembro, a fim de que possam ser descontadas na declaração de ajuste de 2017. Informações: (31) 3226 6866 ou www.feabh.org.br/doacao. O programa é variado e será aberto pelo Grupo de Cordas Dedilhadas, que interpreta obras de Dilermando Reis, Ernesto Nazareth e Jacob do Bandolim. Arthur Versiani apresenta ao piano Três prelúdios, de  Gershwin, seguido por peça de Haydn para cordas e piano e pela execução, a quatro mãos, de Recordação, de Schumann, um solo de Chopin (Polonaise) e a Sonata para clarineta e piano – op. 167, de Saint-Saëns. Para encerrar, um conjunto de flautas tocam arranjos próprio para Sabiá (T. Jobim e Chico Buarque), Rouxinol (Milton Nascimento), Jardim da fantasia (Paulinho Pedra Azul) e Sabiá (Luiz Gonzaga). A Fundação de Educação Artística fica na Rua Gonçalves Dias, 320, Funcionários. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS