Marca carioca é acusada de racismo por causa de estampa com escravas

A pesquisadora Tâmara Isaac ficou chocada e escreveu denúncia em seu Facebook

por Agência Estado 14/10/2016 16:31

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

 

Montagem com fotos de reprodução do Facebook
Tâmara ficou chocada com a estampa de escravos (foto: Montagem com fotos de reprodução do Facebook)
A marca carioca Maria Filó vem sendo acusada de racismo por usuários das redes sociais. Nesta sexta, 14, a pesquisadora Tâmara Isaac escreveu um relato em seu Facebook mostrando-se indignada com a estampa de uma peça que traz a imagem de uma escrava servindo uma sinhá. "Hoje, fui procurar umas blusinhas bacanas para comprar e entrei na loja da Maria Filó... Começo a olhar as roupas e me pergunto: Confere? É uma estampa de escravas entre palmeiras. É uma escrava com um filho nas costas servindo uma branca?", escreveu Tâmara.

 

A publicação já conta com 6 mil curtidas e 759 compartilhamentos. No post, a pesquisadora conclui que a estampa que retrata a escravidão é de mau gosto e racista.


Defesa

Em comunicado, a marca afirmou que o desenho foi inspirado na obra do artista francês Jean-Baptiste Debret e que a peça com o print, que já não está mais no site, será tirada de circulação: "A Maria Filó esclarece que a estampa em questão buscou inspiração na obra de Debret. Em nenhum momento houve a intenção de ofender. A marca pede desculpas e informa que já está tomando providências para que a estampa seja retirada das lojas".

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS