Após Nobel de Literatura, Bob Dylan silencia sobre o prêmio

O cantor e compositor foi anunciado como vencedor do prêmio por ter criado novas formas de expressão poéticas no quadro da grande tradição da música americana

por AFP 14/10/2016 15:37

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

MÔNICA ZARATTINI/AGE
Bob Dylan em show realizado em São Paulo, como abertura para a apresentação dos Rolling Stones, em 1998 (foto: MÔNICA ZARATTINI/AGE)
Bob Dylan não deixa de surpreender: premiado com o Nobel de Literatura na quinta-feira passada, uma decisão inesperada, o cantor e compositor americano ainda não tinha se manifestado nesta sexta-feira com a Academia sueca que lhe concedeu a distinção.

"A Academia tem falado com o agente de Dylan e também com o responsável por sua turnê", explicou à AFP o chanceler da instituição, Odd Zschiedrich. Não foi possível contatar diretamente o premiado, que também não se pronunciou sobre a premiação durante o show que deu na noite da última quinta-feira em Las Vegas.

Segundo Zschiedrich, a situação não é completamente estranha. "Já aconteceu várias vezes, inclusive na época moderna, o fato de não poder falar imediatamente com o premiado", afirmou.

O silêncio do astro pode se tornar, contudo, um problema para a Academia, que terá que se defender de uma escolha ousada e controversa.

"Ter-lhe atribuído o Nobel de Literatura é lamentável (...) A Academia sueca se ridiculiza", declarou o escritor francês Pierre Assouline, membro da Academia Goncourt.

Tradicionalmente discreto, Bob Dylan é o primeiro cantor premiado com o Nobel, conquistando-o à frente de autores consagrados como Salman Rushdie, Adonis ou Ngugi wa Thiong'o, favoritos nos círculos literários. Segundo o Washington Post, que contatou pessoas próximas ao artista, "Dylan ficou em silêncio todo o dia sobre seu prêmio". Um de seus amigos, o cantor Bob Neuwirth, declarou ao jornal americano que o cantor "poderia até não agradecer" a premiação.

Dylan, cujo nome de batismo é Robert Allen Zimmerman, é, aos 75 anos, um dos cantores mais influentes da história da música, juntamente com os Beatles Lennon-McCartney. E parece ser avesso a convenções.

Temperamento difícil

"Minhas coisas eram as canções, sabem disso. Não eram sermões", declarou em uma das poucas entrevistas que deu, em 2004 para a rede americana CBS. "Se examinarem as canções, não acho que encontrarão algo que me faça porta-voz de alguma coisa".

Em turnês recentes, o artista costuma parecer desagradável. Nunca fala com o público, não se preocupa muito com o cenário e só toca seus maiores sucessos em raras ocasiões. Isso não impede que os ingressos se esgotem. Na última quinta-feira, em Las Vegas, Dylan não mudou seus hábitos. Não tocou nenhuma de suas míticas canções, não autorizou nem uma só foto, nem sequer deu "Boa noite, Las Vegas!". Tocou uma sequência de músicas como se nada tivesse acontecido.

A Academia sueca teve que lidar com outros premiados de temperamento difícil. Em 1964, o filósofo francês Jean-Paul Sartre rejeitou o Nobel de Literatura no momento em que soube ter sido premiado, deixando de ganhar as 273.000 coroas suecas que acompanhavam o prêmio naquela época.
Em 1970, a Academia e o escritor soviético Aleksandr Solzhenitsyn não conseguiram chegar a um acordo para que o prêmio fosse entregue em Moscou, já que o premiado se recusava a sair da União Soviética por medo a não poder retornar. Ele teve que esperar quatro anos para recebê-lo em Estocolmo. Em 2004, a romantista austríaca Elfriede Jelinek renunciou a viajar a Estocolmo por causa de sua "fobia social". O prêmio foi entregue a ela em Viena uma semana mais tarde que o dos outros.

Todo ano os premiados são convidados para irem no dia 10 de dezembro a Estocolmo para receber seu prêmio das mãos do rei da Suécia e discursar durante um banquete. A Academia sueca ainda não sabe se Bob Dylan tem alguma intenção de comparecer.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS