Autor Walter Santos Jr. lança 'O fio da meada'

'O que fiz foi ficção coberta por fatos verdadeiros', diz o autor. Lançamento ocorre nesta segunda-feira, 19, no Pátio Savassi

por Redação EM Cultura 18/09/2016 20:03

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

REPRODUÇÃO
'O fio da meada', novo romance de Walter Santos Jr. (foto: REPRODUÇÃO )

 

Em 1985, durante um doutorado em Ciência Política pela Universidade Nacional Francesa, em Montpellier, Walter Santos Jr. conheceu um sírio muçulmano casado com uma judia francesa. O amigo, que havia feito na universidade, tinha outros amigos, todos árabes, que nunca deram a menor atenção para o brasileiro.

Só que, faltando poucos dias para voltar para o Brasil, Santos Jr. acabou sendo convidado para conhecer a casa do grupo de árabes. ''Eles moravam em nove e me disseram que trabalhavam para (o ditador iraquiano) Saddam Hussein (1937-2006). Todo ano, ele lhes dava um diamante que eles lapidavam e vendiam.'' Era desta maneira que viviam.

Deram alguns presentes ao brasileiro, entre eles um kaffiyeh (turbante branco com listras pretas que virou símbolo de Yasser Arafat). Ainda disseram que, em 11 anos, ele era a primeira pessoa que entrava na célula sem fazer parte do grupo.

 

Esta experiência serviu de inspiração para o romance O fio da meada (456 páginas), que Santos Jr. lança nesta segunda-feira, 19, na livraria Leitura do Pátio Savassi. Ele garante: é ficção, mas muito pautada na realidade. ''O leitor vai poder escolher'', afirma o autor, advogado e professor universitário de Araxá que vive em Belo Horizonte.

Na história, o protagonista, Ferreira, está na França, quando conhece um grupo de árabes. É chamado para ser ''mula'' de um diamante. A lapidação leva o personagem a Istambul, na Turquia, onde passa 70 dias (tempo necessário para que a pedra bruta seja devidamente lapidada).

A ação, mais tarde, segue para Atenas, depois Nova York, até voltar a Belo Horizonte. A grande questão do romance é o que existe por trás do grupo de árabes: eles fariam parte da rede que promoveu os ataques terroristas de Setembro de 2001, nos Estados Unidos, resultando na derrubada das Torres Gêmeas. ''A linha mestra do livro é o projeto para derrubar as torres. O que fiz foi ficção coberta por fatos verdadeiros'', afirma Santos Jr.

Esse é o segundo livro do autor, mas o primeiro romance. Em 1994, ele publicou pela Scipione o título Democracia – O governo de muitos.

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS