Supremo de Israel decide que manuscritos de Kafka pertencem à Biblioteca Nacional

Longa batalha jurídica colocou, em lagos opostos, herdeiros do amigo de infância do autor de 'O processo' e o próprio Estado de Israel

por AFP 08/08/2016 18:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução
(foto: Reprodução)
A Suprema Corte de Israel decidiu que um acervo de manuscritos do escritor Franz Kafka continuará sendo propriedade da Biblioteca Nacional, pondo fim a uma longa batalha jurídica.

A máxima instância judicial israelense rejeitou no domingo um recurso apresentado pelos herdeiros de Max Brod, amigo de infância de Franz Kafka que foi o executor de seu testamento.

O autor de O processo, morto em 1924, pediu para Brod queimar seus manuscritos, mas ele os conservou.

Após a invasão da Tchecoslováquia pela Alemanha nazista em 1939, Max Brod emigrou para a Palestina, levando os manuscritos com ele. Depois, deixou-os para sua secretária, Esther Hoffe, quando morreu, em 1968.

Em seu testamento, pediu que Hoffe deixasse os arquivos, avaliados em milhões de dólares, como herança para a "Universidade hebraica de Jerusalém, para a Biblioteca Municipal de Tel Aviv, ou para outra instituição em Israel, ou no exterior".

A secretária, que morreu em 2007, distribuiu seus bens entre suas duas filhas e, com isso, a coleção Brod se tornou objeto de múltiplas disputas judiciais.

No início do processo contra as herdeiras de Hoffe, em 2009, o Estado de Israel reivindicou todos os documentos, alegando que essa foi a última vontade de Brod.

As filhas de Hoffe argumentaram, porém, que ele doou os arquivos para a mãe delas e que, portanto, poderiam dispor dos mesmos como quisessem.

Hoffe havia vendido o manuscrito original de O processo por US$ 2 milhões.

Em 2012, um tribunal ordenou que os arquivos fossem transferidos para a Biblioteca Nacional de Israel.

"Max Brod não queria que seus bens fossem vendidos a quem oferecesse o melhor preço, e esses encontram um lugar adequado em um santuário literário e cultural", consideraram os juízes da Suprema Corte nesta segunda-feira.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS