Matheus Nachtergaele lança livro com poemas escritos pela mãe

A publicação é desejo antigo do ator que recebeu, aos 16 anos, textos avulsos de sua mãe, que cometeu suicídio quando ele tinha só três meses

12/07/2016 19:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Thyago Andrade/Tiradentes em Cena
(foto: Thyago Andrade/Tiradentes em Cena )
Foi cerca de um ano depois de levar ao palco - no espetáculo Processo de Conscerto do Desejo - os poemas de sua mãe, Maria Cecilia, que Matheus Nachtergaele resolveu publicar os textos dela. Compilados agora em um pequeno livro, que leva o nome de A Mariposa.

A publicação é um desejo antigo do ator que recebeu, aos 16 anos textos avulsos de sua mãe, que cometeu suicídio quando Nachtergaele tinha apenas três meses. “Quando você perde a mãe ou o pai muito cedo, se sente merecedor de qualquer coisa”, afirmou o ator, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. “Existia um baú na casa da minha avó, com vários objetos da minha mãe e eu tinha acesso livre a essas coisas. Mas, textos mesmo, só recebi do meu pai um pouco mais tarde. E, desde o primeiro momento, enxerguei a qualidade literária dela, mas mantive em âmbito íntimo, declamava para alguns amigos. Por uma questão de vida, mesmo a peça acabou vindo antes do livro, que eu tenho orgulho de mostrar agora”, conta.

O “livrinho”, como chama Matheus, contém os 28 poemas de Maria Cecilia mais um “poema-apresentação” do próprio ator, texto que também recita no começo do espetáculo.

A edição foi pensada de maneira especial e com forte caráter afetivo, sendo fiel à maneira como o ator recebeu os poemas de sua mãe pela primeira vez, de forma solta, sem encadernação: “Quando tive contato com essa poesia, eram textos soltos em uma pasta. Então, fiz questão de manter isso no livro. Os textos estão soltos para o leitor sentir isso também e perceber quem era Maria Cecilia”, explica.

Indagado sobre o porquê da publicação nesse momento - 4 anos depois de ter contato com os textos pela primeira vez, o ator afirma que só agora se sentiu seguro para realizar esse projeto: “Demorei para fazer porque acredito que temos mesmo que demorar para fazer as coisas. Poesia e arte requerem tempo. Agora, ofereço ao público os textos que são a minha formação e ainda dou à mamãe o livro que ela não teve tempo de fazer”, explica.

Matheus conta que, após a montagem da peça e a publicação do livro, sente ter cumprido uma missão e, ao mesmo tempo, ter alcançado o fim de um ciclo: “Estou na maior sinuca de bico da minha vida, acredito. Porque minha grande queixa termina aqui. Tenho que descobrir o que fazer daqui para frente. Fiz esse milagre que o ser humano faz, que é o de transformar a dor em beleza”, revela. “Eu celebro a minha dor, o processo de ter perdido a minha mãe muito cedo, todas as noites nesse espetáculo transformando-a em dança, canção, poesia. Eu consegui fazer isso. Então, estou sentindo que, depois disso tudo, eu deveria estrear um Ariano Suassuna inédito. Rir um pouco da vida, porque chegar até aqui foi duro”, desabafa.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS