Phillip Huber se apresenta no festival Sesi Bonecos do Mundo, em BH

Artista começou a lidar com marionetes aos 3 anos. Aos 7, já fazia pequenos shows para vizinhos.

por Carolina Braga 12/06/2016 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Ramon Lisboa/EM/D.A Press (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)

Aos 3 anos, o americano Phillip Huber ganhou da mãe o antídoto contra a timidez. Era uma marionete de luva, daquelas mais simples. Ideal para a mão pequenina do menino loiro de olhos azuis. “Comecei a colecionar e, quando tinha 7 anos, fazia pequenos shows para as crianças vizinhas”, conta sobre a infância nas redondezas de Dixon, no Norte do estado de Illinois, nos Estados Unidos. Aos 11, na década de 1960, descobriu a grande paixão: as marionetes.

Com mais de 40 anos de carreira profissional, o americano é uma das atrações do festival Sesi Bonecos do Mundo. Além dele, a Praça da Estação vai abrigar apresentações de mestres mamulengueiros, exposição e outros espetáculos, entre os quais O trampolinista, com o chileno Jordi Beltran, Mão viva, dos italianos Girovago e Rondella , e Os músicos de Bremen, dos espanhois do Búho & Maravilha.

Atualmente, quando viaja o mundo todo com suas marionetes, Phillip Huber lembra com sorriso no canto da boca dos tempos de menino. Se divertia ao montar os próprios bonecos, descobrir novas técnicas e alinhavos capazes de dar alma a seres feitos em madeira, isopor, pano e demais materiais. Quando completou 15 anos, se assumiu como bonequeiro profissional. Entrou na universidade em Los Angeles a pedido da mãe. Cursou teatro e educação, caso precisasse trabalhar como professor. Não foi necessário.

Antes de concluir a faculdade, já estava contratado pela companhia Jim Henson and the Muppets. Em 1980, fundou o próprio grupo, o The Huber Marionetes, com o qual rodou o planeta. Phillip é considerado hoje um dos marionetistas mais importantes em atividade nos Estados Unidos. Embora tenha experimentado outras técnicas, entre elas o teatro de sombras, gosta dos desafios proporcionados pelos fios.

Mágica entre criador e criatura


“As linhas são a única conexão entre você e o boneco. Ao contrário de outras manipulações, em que o contato é mais direto, a distância entre criador e criatura parece mágica para o espectador. Você precisa lidar com a gravidade, com as ações de pêndulo e outras forças presentes na marionete”, explica Phillip Huber. Há pelo menos 10 anos, ele traz seus shows ao Brasil.

Suspended animation, atração em cartaz no festival Sesi Bonecos do Mundo, reúne vários números em uma espécie de show de variedades. O espetáculo faz parte do repertório dele há 25 anos. Permanentemente ganha novos personagens. Desta vez, traz três novidades: uma dançarina cigana, um sapo e uma cantora de cabaré idosa que fuma muito. “As pessoas no Brasil são muito afetuosas e entusiasmadas. Em todas as cidades a que vamos é muito divertido apresentar para uma plateia assim.”

CINEMA

Phillip Huber se tornou ainda mais conhecido como marionetista quando experimentou o cinema. São dele os bonecos e as manipulações filmadas por Spike Jonze para o longa Quero ser John Malkovich (1999). Eis um episódio curioso na carreira do bonequeiro. Ao ficar sabendo que Francis Ford Coppola faria uma versão de Pinóquio, enviou uma caixa com exemplos de seu trabalho.

Pinóquio não vingou, mas Coppola comentou com o então ex-genro sobre o trabalho de Huber. Spike Jonze visitou o ateliê do artista, conheceu os bonecos e ofereceu o trabalho. “Eu não pude aceitar porque estava com uma turnê marcada na Europa. Me tornei uma espécie de consultor”, conta. Meses depois, logo que Phillip retornou para a Califórnia, recebeu outra ligação do cineasta.

Jonze estava obcecado por uma cambalhota da marionete. “São coisas impossíveis, mas, ele dizia, é o que você tem que fazer. Disse que poderia tentar”. Phillip reconstruiu os bonecos e se pôs a experimentar. “Mudei tudo e fiz uma marionete especialmente para a cambalhota”, lembra.

Quase uma década e meia depois, foi a vez de o diretor Sam Raimi o procurar. Precisava de uma pequena marionete para contracenar com James Franco, Mila Kunis, Rachel Weisz e Michelle Williams, os atores de Oz: mágico e poderoso (2013). “Porque quando os atores contracenam com animações, eles olham para uma bola azul, sem atuação”, explica. Na finalização do filme, a marionete recebeu tratamento especial. “Adoro todas as tecnologias dos filmes. Nas animações, eles fazem tudo certo, mas não têm sentimento. É o que faço com a marionete: projeto o coração na personagem. O público sente isso”, resume.

Animação suspensa

Espetáculo com The Huber Marionettes (EUA). Hoje, às 17h. Praça da Estação. Entrada franca. http://sesibonecos.com.br/2016/.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS