11a MOSTRA CINEBH

DATA

  • 22/08/2017 à 27/08/2017

LOCAL / INFO

  • Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes) *Cine Humberto Mauro *Teatro João Ceschiatti Cine Theatro Brasil Vallourec | *Grande-Teatro CentoeQuatro | *Cine 104 Centro Cultural Sesiminas |*Teatro Sesiminas Sesi Museu de Artes e Ofícios| *Salas Mezanino Sesc Palladium| *Grande Teatro MIS Cine Santa Tereza | *Sala de Cinema
  • Traçar rota
  • (31) 2535-5257
  • cinebh.com.br

PREÇOS

  • Entrada Franca

11a MOSTRA CINEBH APRESENTA O CINEMA PARA O MUNDO, PROMOVE O DIÁLOGO ENTRE AS CULTURAS, ENFOCA O MERCADO E A COPRODUÇÃO INTERNACIONAL

 

Evento tem programação gratuita entre os dias 22 e 27 de agosto em oito espaços de Belo Horizonte e sedia o 8o Brasil CineMundi, principal encontro de coprodução internacional no país. Abertura acontece no próximo dia 22, terça, às 20h, no Cine Theatro Brasil Vallourec com pré-estreia do filme &ldquoCorpo Elétrico&rdquo, de Marcelo Caetano.

 

CineBH &ndash Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte chega a sua 11ª edição de 22 a 27 de agosto e vai ocupar oito espaços na capital mineira - Fundação Clóvis Salgado, Teatro Sesiminas, Sesi Museu de Artes e Ofícios, Sesc Palladium, Cine Theatro Brasil Vallourec, MIS Cine Santa Tereza, Cine 104 e, ainda a  inédita montagem de um cinema ao ar livre na Praça da Estação, ponto central da cidade e que integra também a programação da MAX &ndash Minas Gerais Audiovisual Expo - intensificando o diálogo entre o evento, o município, os movimentos sociais e culturas.

Em seis dias de programação intensa e gratuita, a 11ª Mostra CineBHexibe 101 filmes nacionais e internacionais, em pré-estreias e retrospectivas (41 longas, 1 média e 59 curtas-metragens) em 60 sessões de cinema, oriundos de seis estados brasileirosMG, GO, RJ, SP, RS, PR e 16 países - Brasil, França, Reino Unido, Estado Unidos, Portugal, Senegal, Alemanha, Japão, China, Rússia, Áustria, Líbano, Síria, Emirados Árabes, Qatar e Tailândia. A abertura será no Cine Theatro Brasil Vallourec, às 20h, com a pré-estreia nacional de Corpo Elétrico, longa-metragem de Marcelo Caetano, e homenagem ao crítico, ator e cineasta francês Pierre Léon.

Promove também o Brasil CineMundi &ndash 8th International Coproduction Meeting, consolidado como o evento de mercado do cinema brasileiro e realiza debates, diálogos, encontros, oficinas, Mostrinha de Cinema, sessões cine-escola e atrações artísticas. 

"A Mostra CineBH e o Brasil CineMundi conectam profissionais brasileiros e estrangeiros e posicionam-se como instrumentos facilitadores no diálogo com o mercado internacional, por meio de parcerias produtivas e intercâmbio de ações e informações, encontros de negócios e investimento na formação e capacitação de profissionais, apresentando um programa internacional de audiovisual acessível a todos os públicos", ressalta a diretora da Universo Produção e coordenadora da Mostra CineBH e do Brasil CineMundi, Raquel Hallak.

TEMÁTICA CENTRAL, HOMENAGEM E RETROSPECTIVA

A temática central da 11ª Mostra CineBH, definida pelo trio de curadores Francis Vogner dos Reis, Marcelo Miranda e Pedro Butcher, é &ldquoCinema de Urgência&rdquo - proposta surgida a partir das reações cinematográficas às recentes instabilidades políticas e econômicas que se abateram sobre o Brasil nos últimos três anos. O objetivo é compartilhar com público, cineastas, produtores, críticos e jornalistas as inquietações de um tempo histórico cuja velocidade dos acontecimentos muitas vezes atropela a percepção dos fatos. A programação do festival em 2017 tem filmes com a urgência de se levar a câmera para as ruas e registrar/participar dos acontecimentos, para depois ir contra a corrente dos fluxos narrativos dominantes na grande mídia.

O homenageado da 11a Mostra CineBH será o diretor, crítico e ator francês Pierre Léon, um dos grandes nomes da produção independente na Europa. Além da presença de Léon para sessões comentadas e um encontro com o público, a mostra promove retrospectiva completa de sua obra, com 14 filmes dirigidos por ele. Cineasta de produções modestas e ideias vigorosas, seus trabalhos carregam traços e elementos insinuantes de sua economia cênica radical, da perspectiva romanesca e da consciência moderna de inflexão digressiva.

 &ldquoA literatura é uma de suas fontes, a russa em especial está presente nas suas aproximações de Dostoievski, em filmes como O Adolescente (2001), Outubro (2006), O Idiota (2009) e Dois Rémi, Dois (2015)&rdquo, diz Francis Vogner, um dos curadores da mostra. &ldquoSão muitos os elementos comuns em sua obra, mas é difícil definir um &lsquoestilo Léon&rsquo, pois seus filmes revelam caminhos bastante variados e determinados pelas circunstâncias de produção&rdquo. A 11ª Mostra CineBH vai promover ainda o Encontro com Pierre Léon, no qual ele vai conversar com o público sobre suas obras e experiências no cinema e na arte em geral, e os Diálogos Históricos, com uma seleção de filmes escolhidos por ele e que o influenciam ou encantam: O Pecado de Clunny Brown (1946), de Ernst Lubitsch Um Grande Mergulho (1974), de Jack Hazan e O Caminhão (1977), de Marguerite Duras.

 &ldquoHá certas ocasiões históricas em que o cinema se faz urgente, como em Roma, Cidade Aberta, de Roberto Rossellini (1945), que nasce da necessidade de registrar Roma em ruínas, destruída pela guerra. Um filme que, quando pronto, fez parte da reconstrução de uma Itália devastada física e moralmente&rdquo, comenta Pedro Butcher. A ideia é que se reflita sobre o fluxo das imagens a circular hoje com tanta desenvoltura e pensar no quanto e em como elas afetam o estado das coisas e servem de intervenção no cenário contemporâneo.

Nesse sentido, a Mostra Contemporânea terá um recorte dedicado a filmes que dialoguem com a temática, de épocas e estilos distintos. Entre eles, estão Videogramas de uma Revolução (Alemanha/Romênia, 1992), de Harun Farocki, A Revolução não Será Televisionada (Senegal, 2016), de Rama Thiaw, Males sem Terra (Brasil, 2016), de João Arthur, e Na Missão, com Kadu (Brasil, 2016), de Aiano Bemfica, Kadu Freitas e Pedro Maia de Brito.

Complementando os filmes, a mesa &ldquoCinema de urgência: métodos, impasses, intervenções&rdquo vai reunir diretores e pesquisadores para estabelecer uma conversa com (e entre) cineastas que responderam à convocação dos acontecimentos políticos e estão realizando filmes sobre ou a partir da crise, com enfoques e propósitos distintos. Por fim, Terra em Transe (1967), de Glauber Rocha &ndash que completa 50 anos de lançamento &ndash terá uma sessão especial também dentro da temática, com a presença dos pesquisadores Ismail Xavier e Ivana Bentes para debaterem o impacto do filme na época e ao longo das décadas.

MAIS FILMES EM PRÉ-ESTREIAS E EM DIÁLOGO COM A CIDADE

A Mostra Contemporânea se completa com títulos de grande repercussão internacional, em pré-estreias nas telas brasileiras, com grande destaque ao cinema asiático. Do continente, vêm Three (Hong Kong), de Johnnie To The Mole Song: Hong Kong Capriccio (Japão), de Takashi Miike Bangkok Nites (Japão/Tailândia), de Katsuya Tomita e Uma Noiva de Shangai (Argentina/China), de Mauro Andrizzi. Completando os internacionais estão Taste of Cement(Líbano/Síria), de Ziad Kalthoum e Luz Obscura (Portugal), de Susana de Sousa Dias. Entre os brasileiros, estão na programação as pré-estreias As Duas Irenes, de Fábio Meire e Corpo Elétrico, de Marcelo Caetano.

Com curadoria de Paula Kimo, a Mostra A Cidade em Movimento, uma janela criada em 2016 pela Mostra CineBH para os discursos criativos e produtivos que tocam em temas, formas e modos de friccionar, emergir e movimentar a nossa cidade, traz para esta edição a temática &ldquoQuem movimenta a cidade?&rdquo e irá apresentar 25 filmes (03 longas e 22 curtas) com foco em três pilares: comunidade, lugares e pessoas. &ldquoPara mostrar &ldquoquem movimenta a cidade&rdquo, foi preciso, por vezes, descolonizar o olhar, para habitá-lo com formas de vida que sustentam as câmeras ou performam diante das lentes, constituindo uma diversidade de pulsos e vibrações de uma cidade segmentada e desigual, mas que resiste ao produzir encontros e afetos&rdquo, ressalta a curadora.

A seleção de curtas, assinada pelo curador Pedro Maciel Guimarães, apresenta 36 filmes de sete Estados (Minas Gerais, Goiás, Paraná, Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo e Rio Grande do Sul) e estarão distribuídos em três mostras temáticas: ContemporâneaBrasileiros no Exterior e Retrospectiva Gesto de Cinema, que reúne filmes da produtora paranaense composta pelos produtores-realizadores Caio Baú e Isabele Orengo. A sessão com cinco curtas aposta no formato como local de investigação cinematográfica e engajamentos pessoais dos seus integrantes. &ldquoHomenagear uma produtora de curtas, dando a ver sua produção em conjunto, significa dar visibilidade a esse tipo de empresa cinematográfica que passa ao largo da visibilidade do mercado de longas-metragens&rdquo, destaca o curador.

NOVIDADE NA PRAÇA DA ESTAÇÃO

Uma das novidades desta edição é a parceria da 11ª Mostra CineBH com a MAX &ndash Minas Gerais Audiovisual Expo - promovida pela Codemig|Governo de Minas Gerais, Sesi Fiemg e Sebrae, possibilitando levar parte da programação do evento para a Praça da Estação, no centro de Belo Horizonte, transformando este cartão postal em cenário da sétima arte.

 A proposta da Mostra Clássicos na Praça é exibir filmes populares que sejam parte do imaginário de várias gerações de espectadores e que dialoguem com a ideia de viver, circular e conviver na cidade (incluindo a vida rural como o contraponto). Entre aventura, ficção científica, romance, invasões alienígenas, voyeurismo e brincadeiras de criança, os filmes aqui selecionados irão se mesclar ao ambiente urbano da Praça da Estação sob várias facetas. Uma seleção especial com filmes produzidos em Minas Gerais que se destacam pela inventividade e pela importância no desenvolvimento da linguagem audiovisual no estado completa a programação.

Estão na programação O Garoto (1921), de Charles Chaplin, que terá trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra de Câmara do Sesiminas Eles Vivem (1988), de John Carpenter Janela Indiscreta (1954), de Alfred Hitchcock Blade Runner (1982), de Ridley Scott e E.T. O Extraterrestre (1982), de Steven Spielberg. A produção mineira se fará presente nas sessões com uma seleção de títulos também clássicos para a produção no estado: o longa O Menino Maluquinho (1995) de Helvécio Ratton, e os curtas A Velha a Fiar (1964), de Humberto Mauro A Hora Vagabunda (1998), de Rafael Conde Fantasmas (2011), de André Novais Oliveira, e Estado Itinerante (2016), de Ana Carolina Soares.

BRASIL CINEMUNDI - O EVENTO DE MERCADO DO CINEMA BRASILEIRO

Um dos destaques é a realização do Brasil CineMundi - 8th International Coproduction Meeting &ndash o evento de mercado do cinema brasileiro que faz conexão entre profissionais brasileiros e internacionais, consolidando essas relações de forma consistente e gradativa, ampliando a rede de contatos e atraindo novos investidores, produtores e cineastas. Representa importante instrumento de reflexão, debate, difusão, ações de cooperação e negócios no segmento audiovisual em intercâmbio com o mundo.

Além dos convidados brasileiros, confirmaram presença no 8º Brasil CineMundi 25 convidados internacionais da indústria audiovisual mundial, representando 13 países: Alemanha, Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, EUA, França, Holanda, Itália, Noruega, Suíça e Uruguai, que desembarcam na capital mineira para conhecer novos projetos do cinema brasileiro, participar de debates, consultorias, agenda de relacionamentos, encontros de negócios promovidos pelo evento.

SEMINÁRIO BRASIL CINEMUNDI

Integra a programação o  Seminário Brasil CineMundi que, nesta edição, acontece no Sesi Museu de Artes e Ofícios e vai reunir 37 profissionais brasileiros e estrangeiros no centro dos debates, diálogos, estudos de caso, master classes e workshop internacional com o intuito de promover a troca de conhecimentos, experiências em coprodução internacional, promover ações de relacionamentos e negócios, ampliar as possibilidades de parcerias e intercâmbio, estimular o diálogo e o encontro do setor audiovisual.

Entre as atividades confirmadas, estão o estudo de caso do longa-metragem Benzinho, de Gustavo Pizzi, coprodução entre Brasil e Uruguai painéis do Berlinale Talents, TorinoFilmLab, Roterdam Lab e National Film Board of Canada e debates sobre coprodução na América Latina e fundos de investimento e cooperação audiovisual.

PARCEIROS, PREMIAÇÃO E INTERCÂMBIO

Plataforma consagrada de rede de contatos e negócios do audiovisual, o Brasil CineMundi reúne anualmente centenas de profissionais de várias partes do mundo para uma intensa programação de cooperação, intercâmbios, capacitação e apoio a novos projetos de longas brasileiros.

Ao todo, serão apresentados 22 projetos de longas-metragens brasileiros em fase de desenvolvimento ou pré-produção. Eles estão organizados em três categorias: CineMundi (10), DocBrasil Meeting (6), Foco Minas (6). Os Estados de origem são Amazonas, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo. Todos eles estarão em Belo Horizonte em busca de firmar parcerias com outros países, no intuito de viabilizar trabalhos autorais e também ampliar possibilidades de circulação e difusão do cinema brasileiro no exterior, um dos temas mais discutidos no encontro.  

No dia 27 de agosto, no encerramento da 8a edição do Brasil CineMundi, às 19h30, no Teatro Sesiminas, o júri (composto por três profissionais da área) anunciará o melhor projeto de longa brasileiro em fase de desenvolvimento da categoria CineMundi. O vencedor vai ganhar o Troféu Horizonte, materiais e serviços oferecidos pelas empresas da indústria audiovisual parceiros do evento e vaga para o produtor marcar presença no Ventana Sur (Argentina), evento de mercado parceiro do Brasil CineMundi, juntamente com o TorinoFilmLab (Itália), DocMontevideo (Uruguai) e DocSP (Brasil) que também oferecem vagas para produtores e projetos brasileiros selecionados para o evento.

CINEMA PARA TODA FAMÍLIA

Na 11ª Mostra CineBH, toda a família tem programação garantida com a realização da Mostrinha de Cinema. A Universo Produção acredita que é importante investir na formação de plateia e despertar nos espectadores jovens o espírito crítico e a motivação emocional, imprescindíveis à experiência do cinema. A sessão Mostrinha apresenta uma seleção de sete filmes - um longa &ldquoA Família Dionti&rdquo, dirigido por Alan Minas, e uma sessão com seis curtas que integram a Mostra A Cidade em Movimento.

Para estudantes e educadores, a Mostra CineBH promove o Cine-Expressão - A Escola vai ao cinema que a oferta de seis sessões cine-escola e cine-debates que pretende beneficiar mais de 3.000 alunos da rede de ensino de Belo Horizonte, a partir da faixa etária de cinco anos. O programa tem como objetivo entender o audiovisual como janela sobre as relações sociais do mundo, unir as linguagens cinema e educação com foco na formação do cidadão a partir da utilização do audiovisual no processo pedagógico interdisciplinar.

OFICINAS, MASTER CLASS E WORKSHOP INTERNACIONAL

O evento oferece um amplo programa de capacitação e formação para profissionais do setor, da educação, jovens e interessados em geral. Ao todo serão oferecidas sete modalidades, sendo cinco oficinas, um workshopinternacional de cinema documentário e uma master class com o cineasta, ator e crítico francês Pierre Léon com oferta de 230 vagas. As oficinas acontecem entre os dias 23 a 27 de agosto, nas dependências do Sesi Museu de Artes e Ofícios (Praça da Estação) e na Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes - Av. Afonso Pena 1537 &ndash Centro), em Belo Horizonte.

 RELAÇÃO DOS FILMES EM EXIBIÇÃO

 LONGAS

 MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO

  • DA LONA AO PAI TOMAS: A HISTÓRIA DO CABANA CONTADA POR SEUS PRIMEIROS MORADORES, de Marcus Vieira (Minas Gerais) &ndash 2016
  • O SOM QUE VEM DAS RUAS 3 - WORK IN PROGRESS, de Bruno Figueiredo (Minas Gerais) &ndash 2017
  • PRETO VELHO NA LAGOINHA, de Célio Dutra (Minas Gerais) &ndash 2016

 MOSTRA DIÁLOGOS HISTÓRICOS 

  • AS AVENTURAS AMORASAS DE UM PADEIRO, de Waldir Onofre (Rio de Janeiro) &ndash 1975
  • HISTÓRIAS QUE NOSSO CINEMA (NÃO) CONTAVA, de Fernanda Pessoa (São Paulo) &ndash 2017
  • O CAMINHÃO, de Marguerite Duras (França) &ndash 1977
  • O PECADO DE CLUNY BROWN, de Ernst Lubitsch (Estados Unidos) &ndash 1946
  • UM GRANDE MERGULHO, de Jack Hazan (Reino Unido) &ndash 1974

MOSTRA RETROSPECTIVA PIERRE LÉON 

  • A FRANÇA, de Pierre Léon (França) &ndash 2007
  • BIETTE, de Pierre Léon (França) &ndash 2010
  • DOIS RÉMI, DOIS, de Pierre Léon (França) &ndash 2015
  • DUAS DAMAS SÉRIAS, de Pierre Léon (França) &ndash 1998
  • GUILLAUME E OS SORTILÉGIOS, de Pierre Léon (França) &ndash 2007
  • LI PER LI, de Pierre Léon (França) &ndash 1994
  • NISSIN DIT MAX, de Pierre Léon (França) &ndash 2003
  • O ADOLESCENTE, de Pierre Léon (França) &ndash 2001
  • O IDIOTA, de Pierre Léon (França) &ndash 2008
  •  OUTUBRO, de Pierre Léon (França) &ndash 2006
  • PHANTOM POWER, de Pierre Léon (França, Rússia-Portugal-Áustria) &ndash 2014
  • POR EXEMPLO, ELECTRA, de Jeanne Balibar, Pierre Léon (França) &ndash 2012
  • TIO VANIA, de Pierre Léon (França) &ndash 1997

MOSTRA CLÁSSICOS NA PRAÇA 

  • BLADE RUNNER, O CAÇADOR DE ANDRÓIDES, de Ridley Scott (Estados Unidos) &ndash 1992
  • ELES VIVEM, de John Carpenter (Estados Unidos) &ndash 1998
  • E.T. &ndash O EXTRATERRESTRE, de Steven Spielberg (Estados Unidos) &ndash 1982
  • JANELA INDISCRETA, de Alfred Hitchcock (Estados Unidos) &ndash 1954
  • MÁGICO DE OZ, de Victor Fleming, Richard Thorpe, King Vidor (Estados Unidos) &ndash 1939
  • O GAROTO, de Charlie Chaplin (Estados Unidos) &ndash 1921
  • O MENINO MALUQUINHO, de Helvécio Ratton (Minas Gerais) &ndash 1995 

MOSTRA CONTEMPORÂNEA

  • A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA, de Rama Thiaw (Senegal) &ndash 2016
  • AS DUAS IRENES, de Fabio Meira (São Paulo,Goiânia) &ndash 2017
  • BANGKOK NITES, de Katsuya Tomita (Japão, França, Tailândia) &ndash 2016
  • CORPO ELÉTRICO, de Marcelo Caetano (São Paulo) &ndash 2017
  • LUZ OBSCURA, de Susana de Sousa Dias (Portugal) &ndash 2017
  • MALES SEM TERRA, de João Arthur (Rio de Janeiro) &ndash 2016
  • TASTE OF CEMENTE, de Ziad Kalthoum (Alemanha, Líbano, Síria, Emirados Árabes, Qatar) &ndash 2017
  • THE MOLE SONG: HONG KONG CARPACCIO, de Miike Takashi  (Japão) &ndash 2016
  • THREE, de Johnnie To (China) &ndash 2016
  • UMA NOVIA DE SHANGAI, de Mauro Andrizzi (Argentina,China) - 2016
  • VIDEOGRAMAS DE UMA REVOLUÇÃO, de Harun Farocki, Andrei Ujica (Alemanha) &ndash 1992  

MOSTRA CONTEMPORÂNEA | SESSÃO ESPECIAL &ldquo WORK IN PROGRESS&rdquo 

  • OPERAÇÕES DE GARANTIA DA LEI E DA ORDEM, de Julia Murat e co-direção de Miguel Antunes Ramos (Rio de Janeiro) &ndash 2017

 SESSÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE TERRA EM TRANSE 

  • TERRA EM TRANSE, de Glauber Rocha (Rio de Janeiro) - 1967 

SESSÃO CINE-ESCOLA

  • ÚLTIMAS CONVERSAS, de Eduardo Coutinho (Rio de Janeiro) &ndash 2015 

MOSTRINHA 

  • A FAMÍLIA DIONTI, de Alan Minas (Rio de Janeiro) &ndash 2015 

MÉDIA 

MOSTRA RETROSPECTIVA PIERRE LÉON 

  • O ASSOMBRO, de Pierre Léon (França) &ndash 2001/2012

 CURTAS 

MOSTRA CONTEMPORÂNEA 

  • ALGO DO QUE FICA, de Benedito Ferreira (Goiânia) &ndash 2017
  • ÂMAGO, de Édier William (Paraná) &ndash 2017
  • AULA DE ANATOMIA, de Sidney Schroeder (Rio de Janeiro) &ndash 2017
  • HIC, de Alexander Buck (Espírito Santo) &ndash 2017
  • MERCADORIA, de Carla Villa-Lobos &ndash (Rio de Janeiro) &ndash 2017 

MOSTRA CONTEMPORÂNEA | CINEMA DE URGÊNCIA

  • NA MISSÃO, COM KADU, de Aiano Bemfica, Kadu Freitas & Pedro Maia de Brito (Minas Gerais) &ndash 2016 

MOSTRA CURTAS NO ALMOÇO 

  • HAVIA CINZAS DENTRO DE MIM, de Daniel Calil (Goiânia) &ndash 2017
  • MÃE, ACORDA A VOVÓ, de Cássio Domingues (Goiânia) &ndash 2017
  • MEU NOME É CORACI, de Adan Sousa (Goiânia) &ndash 2017
  • TAILOR, de Calí dos Anjos (Rio de Janeiro) &ndash 2017
  • SOL, de Carlos G. Gananian (São Paulo) &ndash 2017
  • VÊNUS - FILÓ A FADINHA LÉSBICA, de Sávio Leite (Minas Gerais) &ndash 2017 

MOSTRA BRASILEIROS NO EXTERIOR 

  • COSME, de Luciano Scherer (Rio Grande do Sul) &ndash 2016
  • ENTER, de Rafael de Toledo e João Lima (Paraná) &ndash 2016
  • O CHORO DE PRANH, de Rafael de Toledo, João Lima e Eduardo Camargo (Paraná) &ndash 2016
  • OLTEANCA, de João Pedro Borsani (Rio de Janeiro) &ndash 2016
  • RETRATOS PARA VOCÊ, de Pedro Nishi (São Paulo) &ndash 2016 

MOSTRA RETROSPECTIVA GESTO DE CINEMA 

  • LUIZA, de Caio Baú (Paraná) &ndash 2017
  • O MUNDO ESTRATIFICA O CORPO SE DESLOCA, de Igor Urban (Paraná) &ndash 2017
  • PAI AOS 15, de Danilo Custódio (Paraná) &ndash 2015
  • PAIXÃO NACIONAL, de Jandir Santin  (Paraná) &ndash 2015
  • PAVÃO SEM CORES, de Isabele Orengo (Paraná) &ndash 2015 

MOSTRA RETROSPECTIVA PIERRE LÉON 

  • NA BARBA DE IVAN, de Pierre Léon (França) &ndash 2009

MOSTRA CLÁSSICOS NA PRAÇA 

  • A HORA VAGABUNDA, de Rafael Conde (Minas Gerais) &ndash 1998
  • A VELHA A FIAR, de Humberto Mauro (Minas Gerais) &ndash 1964
  • ESTADO ITINERANTE, de Ana Carolina Soares (Minas Gerais) &ndash 2016
  • FANTASMAS, de André Novais Oliveira (Minas Gerais) &ndash 2010 

MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO 

  • A CIDADE QUE VIVE EM MIM, de Fernanda Estevam (Minas Gerais) &ndash 2014
  • A RUA É PÚBLICA, Anderson Lima (Minas Gerais) &ndash 2016
  • A TARADA DO METRÔ, Andrea Vieira Abdala (Minas Gerais) &ndash 2015
  • ANIVERSÁRIO E CASTIGO, Anderson Lima (Minas Gerais) &ndash 2017
  • APARECIDO, de Thiago Valle (Minas Gerais) &ndash 2016
  • DE MAGRELA, Marcelo Lin e Michel Brasil (Minas Gerais) &ndash 2016
  • DONO DE CASA, Anderson Lima (Minas Gerais) &ndash 2017
  • DOURADO, Bernardo Teixeira (Minas Gerais) &ndash 2016
  • DUELO DE MCS NACIONAL 2016 - COBERTURA DA GRANDE FINAL, Flávio Charchar (Minas Gerais) &ndash 2016
  • JOSÉ BALEIA, Julio Cruz (Minas Gerais) &ndash 2016
  • MUDANÇA DE HÁBITO, Álvaro Andrade, Thiago Rodrigues, Vinícius Andrade (Minas Gerais) &ndash 2017
  • NÓS MULHERES R(E)XISTIMOS, Zi Reis (Minas Gerais) &ndash 2015
  • ÓPIO, Léo Garcia (Minas Gerais) &ndash 2014
  • OSTENTAÇÃO, Marcelo Lin e Fernando Rossi (Minas Gerais) &ndash 2016
  • PAPAGAIO VERDE, Anderson Lima (Minas Gerais) &ndash 2017
  • PELÉ, de Diogo Sousa e Matheus Prado (Minas Gerais) &ndash 2017
  • PÓLIS, Marcos Pimentel (Minas Gerais) &ndash 2009
  • PRETERIR, Marcos Donizetti da Silva (Minas Gerais) &ndash 2016
  • RAP CONTAGEM: MÃO ÚNICA, Rafael Leite (Minas Gerais) &ndash 2016
  • SEGUNDA PRETA - 1ª TEMPORADA, Pablo Bernardo e Alexandre de Sena (Minas Gerais) &ndash 2017
  • TABA, de Marcos Pimentel (Minas Gerais) &ndash 2010
  • ZAGA DAS BONECAS, Anderson Lima (Minas Gerais) &ndash 2014

SESSÕES CINE-ESCOLA 

  • A MENINA ESPANTALHA, de Cássio Pereira dos Santos (Minas Gerais) &ndash 2008
  • A PRIMEIRA FLAUTA, de Simon Brethé e Ricardo Poeira (Minas Gerais) &ndash 2017
  • A VIDA DEVE SER ASSIM, de Roberto Burd (Rio Grande do Sul) &ndash 2012
  • CADÊ MEU RANGO, de George Munari Damiani (São Paulo) &ndash 2012
  • CAMINHO DOS GIGANTES, de Alois Di Leo (São Paulo) &ndash 2017
  • DOURADO, Bernardo Teixeira (Minas Gerais) &ndash 2016
  • LIPE, VOVÔ E O MONSTRO, de Felippe Steffens e Carlos Mateus (Rio Grande do Sul) &ndash 2016
  • MARINA NÃO VAI A PRAIA, de Cássio Pereira dos Santos (Minas Gerais) &ndash 2014
  • MÉDICO DE MONSTRO, de Gustavo Teixeira (São Paulo) &ndash 2016 
  •  

* TODA PROGRAMAÇÃO É OFERECIDA GRATUITAMENTE AO PÚBLICO 

Fotos:

Fotos do CineBH e Brasil CineMundi:
https://www.flickr.com/photos/universoproducao/

 ***

Acompanhe a 11ª Mostra CineBH, o 8º Brasil CineMundi e o programa Cinema Sem Fronteiras 2017

Participe da Campanha #eufaçoaMOSTRA

Twitter: universoprod 

Facebook: universoproducao / cinebh / brasilcinemundi

Web: cinebh.com.br 

Informações pelo telefone: (31) 3282.2366

***

Serviço

11ª CINEBH &ndash MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE BELO HORIZONTE

BRASIL CINEMUNDI &ndash 8TH INTERNACIONAL COPRODUCTION MEETING

22 a 27 de agosto de 2017 

Lei Federal de Incentivo à Cultura

Patrocínio: SESI|FIEMG, COPASA|GOVERNO DE MINAS GERAIS

Fomento: CODEMIG| GOVERNO DE MINAS GERAIS

Apoio Mostra CineBH: Inhotim, Rede Globo Minas, Fundação Clóvis Salgado, CentoeQuatro, Hoteis Othon

Apoio Brasil CineMundi: Ministério das Relações Exteriores/Governo Federal, Cinema do Brasil, Consulado Geral da França no Brasil, Instituto Goethe, Mistika, DOT, CiaRioCTAv, Parati Films, Cinecolor

Cooperação: Torino FilmLab (Itália), Ventana Sur(Argentina), DocMontevideo(Uruguai), DocSP(Brasil)

 Realização: UNIVERSO PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DA CULTURA| GOVERNO FEDERAL - ORDEM E PROGRESSO 

LOCAIS DE REALIZAÇÃO DO EVENTO

Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes) *Cine Humberto Mauro  *Teatro João Ceschiatti 

Cine Theatro Brasil Vallourec | *Grande-Teatro 

CentoeQuatro | *Cine 104 

Centro Cultural Sesiminas |*Teatro Sesiminas

Sesi Museu de Artes e Ofícios| *Salas Mezanino 

Sesc Palladium| *Grande Teatro

MIS Cine Santa Tereza | *Sala de Cinema 

* TODA PROGRAMAÇÃO É OFERECIDA GRATUITAMENTE AO PÚBLICO

Para as sessões de cinema, os ingressos deverão ser retirados na bilheteria de cada espaço, 30 minutos antes do horáro de cada sessão. Para sessão de abertura, os ingressos serão distribuídos com uma hora de antecedência, a partir das 19h.

cinebh.com.br

+EVENTOS

Eventos

VÍDEOS RECOMENDADOS